quinta-feira, 31 de março de 2011

Maldito toque

Desejei ter sonhado aquele pesadelo
Vi teus dedos deslizando em meu peito
vi tua unha tão delicada lamina
Como queria ter sonhado aquilo
Como queria ter encerrado minha historia por ali
Você me despiu me beijou e disse me amar
Ainda hoje tento sonha essa vida triste
Ainda hoje sinto teu toque em meu peito
E no meu inferno eterno é a única coisa que sinto
Gélido e distante toque em meu peito
Noite fria onde o sangue em minhas veias descongelou
De tal irá fui possuído e tal tormenta fui tomado
E o sangue evaporou levando junto consigo a raiva
E por traz de uma nevoa rubra tua silhueta
Tua mão em meu peito a brincar com meu coração
A extrai-lo, seco, porem vivo em teu calor
Agora seco e estira um corpo desprovido de alma e sangue
Um ser incapaz de sentir um toque além daquele seu maldito beijo
Maldito beijo de despedida que ainda guardo o gosto em meus lábios
Tão bom e atormentante amor de uma alma morta
Ainda por aqui, ainda a sentir seu toque.
Eternamente te desejando.