domingo, 29 de agosto de 2010

Um pequeno anjo

Um pequeno anjo de asas tão negras
de tão elegante e soturna vestimenta
de pálidos e deliciosos lábios
Desce sobre meu campo de batalha
onde não há mais vida
Apenas corpos a sangrar
e defere em minha alma mortal foice
Tão excitante tocar de lábios
Um beijo gélido que incendeia minha alma