domingo, 31 de julho de 2011

Breve

Por minha orbitas vazia
O sangue frio que foge
A tempestade que devora a carne
Inferno que destroi a mente
O buraco no peito
A faca nas costa
O sonho nebulo
O destino inserto
O trono rigido e frio