segunda-feira, 13 de junho de 2011

O imundo e o Trono

Ajoelhe-se seu imundo perante o trono de pedra
Não ouse olhar para o trono se seus pés tocaram a areia do deserto
Não ouse olhar para o trono se sofreu sobe o domínio do sol e da lua
Não ouse olhar para o trono se careceu dos caprichos do corpo

Nem ouse sonhá-lo, pois isso é privilegio somente daqueles que transcendem
Aqueles que vencem sem levantarem armas
Aqueles cujo o a lamina esta na alma
Aqueles que lutam a boa luta

Suma daqui sua casca vazia
Teu peito carece de coração
Teu lamina é a da espada
Tuas mãos estão sujas

Vá e aqui não volte nem em sonhos
Es fraco, carecido de propósito
Vá e só voltei, ou preenchido do bom ou do mal