quinta-feira, 24 de junho de 2010

Bebados II

Hoje a noite é fria
A lamina gélida corta o ar
Em nossa dança de pés descalços
A fogueira que queira a mente que num para
Os passos socando o chão
Nosso bailar a estremecer a terra
Nossos Gritos bêbados a amedrontar
Bestas sedentas de sangue
Nossa lamina gira no ar
As mulheres dançam com suas sombras sobre o peito dos homens
Seus vestidos a circularem pelo fogo
Os homens sedentos procuram as saias assim com a chama algo a queimar
E os urros e o som da bebida a ecoarem na noite gélida
O fogo a esquentar o corpo e a bebida e a dança a alma
As mulheres a esquentar corpo e alma e a dominar mentes
E a lua perde seu frio iluminar
Para homens bêbados e mulheres a bailar