terça-feira, 4 de maio de 2010

Meu medo

Hoje encontrei meus erros no caminho
Seus dentes amarelos e sua barba enrolada
Suas roupas escuras e esfarrapadas
Porque aquele q porta o medo é sempre tão imponente?
Ele cravou suas unhas em minha carne
O sangue a corre meu braço
Seu sorriso amarelo na minha cara
Me corpo preso em suas garra a sangrar
Erro e medos constroem sua pele
Metiras são teu olhar
O que há de mais ruim de mim
É mais forte doque há de bom
Só há em meu dedo o anel com que me prometi a você
A minha aliança com a vitoria
O unico motivo para arrancar as garras dele
Afundar seus dentre podres guela a baixo
Dilacerar sua pele e roupas
Fazer o sangue escorrer por sua barba vindo de sua boca
E fazer seu sangue voar pelo ar
Rubra chuva.
Rubro anel.
Minha face vermelha do sangue de meus medos
Agora sou o medo de meu proprio medo.