terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Minha criança e a noite

Criança repouse em meus braços,
Deixe-me carregá-la por nossa eterna noite.
Quero sentir tua face sobre meu peito ferido,
Tuas mãos a envolver minhas costas marcadas,
Marcada de guerras e noites de amor.
Deixe-me deleitar-me com seus lábios pálidos,
Pálidos do frio noturno,
E de sua sóbria natureza.
Criança toma meu corpo,
Toma minha alma e meu sangue.
E deixe sua marca em mim criança,
E prove pra noite que sou teu.