segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Dois guerreiros

Venha minha amiga
Levante-se nesse novo dia
Os campos estão rubros como teus cabelos
Os corpos esfriam no orvalhar da manhã.
O sangue de nossos inimigos mortos seca em nossas laminas
Teu respirar ofegante sempre ao meu lado
Teu rosto respingado do vermelho vivo
Nossos corpos exaustos de nossa batalha noturna
Ao raiar do dia e ao esfriar do sangue
E sem a loucura da batalha
Colheremos nos campos, cheio da morte
Morte que veios de nossas firmes mãos
Colheremos os espólios de nosso êxtase noturno
Pois o sangue dos inimigos se espalha sobra verde grama
Mas o teu ainda é vivo e teus cabelos de fogo e luz
E em tua face ruborizada e em ter sorriso sádico.