quarta-feira, 21 de outubro de 2009

NA CACHOEIRA

Subimos ate a cachoeira, não havia ninguém por perto, mas mesmo assim você entrou na água usando a camiseta. Você usava um shortinho e por sua camiseta molhada pude ver o seu biquíni preto sob a roupa. A água fria arrepiava a sua pele e a camiseta molhada colada em seu corpo mostrava uma beleza esbelta e maravilhosa ainda com um tom de perigo em seu olhar e como seus lábios entre abertos.

Eu não sentia mais a água gelada em minha pele. Minha boca engolia seco coma a visão do seu ser. Enquanto você mergulhava, não resisti e me aproximei furtivamente e lhe agarrei por traz dando-lhe um susto. Rimos. Mas não era essa minha intenção. Você arrumava seus cabelos molhados deixando a mostra seu frágil pescoço para mim que estava meio atrás de você ainda.

Meu sangue ferveu. Em um movimento sincronizado, movi meu braço envolto da sua cintura, minha mão apoiando sua cabeça de um lado enquanto do outro minha boca quente encontrava com seu pescoço. Um arrepio diferente estremeceu seu corpo. Você em um reflexo tentou se afastar, mas meu braço te segurou e puxou ainda mais junto ao meu corpo. Meus beijos tomavam a água que descia por sua nuca. Você soltava palavras de protesto que perdiam a força a cada beijo que dava em seu pescoço.

Meus beijos contornavam seu pescoço e seu corpo já se fazia flexível em meus braços. Sei corpo a girar, pressionado ao meu. Sua cabeça a inclina na direção dos meus beijos. Meus lábios quentes se encontraram contra os seus pálidos e frios lábios. Os dois se encontraram, frio por fora mais quente por dentro, se apertando um contra o outro enquanto tua língua deslizava para dentro da minha boca e a minha roçava a sua. Afastamos, e dentre repetidos beijos seus dentes mordiam meus lábios.

Saímos da água depois de um tempo nos beijando. Quando você colocou os pés novamente cheguei por trás de você, envolvendo-te em meus braços. Minha cabeça a repousar sobre teu ombro e meus lábios junto as seu ouvido balbuciando cantos de carinho e amor enquanto meus lábios raspavam em sua orelha.

Abaixei-me, ainda atrás de você, minhas mãos em sua cintura corriam em sua pele levantando sua camiseta molhada. Minha boca acompanhava o movimento, lambendo levemente todo o percurso de sua coluna, passando sobre o nó de seu biquíni ate a nuca tirando sua camiseta. Voltei Passando minha mão por suas costas ate sua cintura.

Uma de minhas mãos moveu-se por suas pernas e outra subiu por seu abdômen. Minha mão dedilhou suas costelas enquanto minha língua saboreava o pé de sua orelha, e subiu mais adentrando sob seu biquíni. Minha mão gelada em seus seios, a apertá-los, fez correr em seu corpo outro arrepio. Nisso minha outra mão deslizou em sua perna, contornando sua cocha passando sobre sua o meio de suas pernas. O que fez seu corpo se esticar para trás contra o meu.

Meus dedos por lá ficaram a acariciar-te sobre seu shortinho. Desenhando sua intimidade sobre o tecido. Suas mãos correram meu corpo por trás de você. Passaram por minha perna e depois a sentir meu desejo por ti. Pude ver você mordendo os lábios ao me tocar sobre o short. Suas mãos subiram a suas costas para desatar os nós de seu biquíni. Então minhas mãos também foram te ajudar. Os nos foram desatados. Suas costas limpa, acariciei-a e beijei-a por completo novamente quando você soltava seu biquíni sobre as pedras da margem.

Sua pele nua ao se virar para mim, e a confrontar-me com seu olhar e eu a desafiar-te não desviando o olhar um segundo sequer de seus olhos. Seu corpo a encostar-se ao meu, minha mão a se emaranhar em seus cabelos e sua língua em minha boca. Podia sentir ainda o arrepio da sua pele. Seus seios rígidos do frio e do desejo a encontrar com minha pele.

Tua boca caçou minha orelha, minha boca caçou seus seios. Minha língua a circular seus seios, brincando com eles. Também continuava com uma de minha mão a correr por suas pernas acariciando você por traz e tocando você entre suas pernas. Suas unhas já começavam a fazer desenho em meu corpo. Estendi uma toalha sobre uma grande pedra que haviam onde nos deitamos e ficamos a nos beijar e eu a acarinhar seus seios e você sobre o seu shortinho.

Meu corpo sobre o teu. Beijava sua orelha enquanto você marcava meu pescoço com mordidas e riscava minhas costas com suas unhas a cada movimento mais forte que eu fazia com meus dedos sobre seu shortinho. Então os coloquei fundo e mechei-os com força. No suspiro que você soltou roubei-lhe um beijo. Desci por seu queixo beijando-o, seu pescoço, entre seus seios, passando a língua sobre seu abdômen, seu umbigo.

 Fui beijando e puxando seu shortinho para baixo. Tirei-o junto com a parte de baixo do seu biquíni. Suas mãos em um momento tímido cobriram suas intimidades. Voltei beijando suas pernas, mordisquei suas cochas ate chega onde suas mãos estavam. Beijei-as. Fui afastando-as de leve ate que minha língua pode tocar-te. Então suas mãos me deram caminho. E minha boca te beijou e minha linha correu te provando inteira.

O teu gosto a encher minha boca. Minha língua a provar você por dentro, enfiava-a fundo e a mechei para te provar melhor. Meus dedos a ajudar na brincadeira afagando onde a língua num estava ou ajudando a língua a prover você melhor. Chupava-te para sentir você na minha boca. E suas mãos puxavam meus cabelos e marcavam minhas costas.

Tirei meu short e a sunga e me deitei nu sobre você. Seus braços envolveram meu pescoço, sua boca me dominou. Seu beijo tão quente e intenso. Seus seios contra minha pele esfregando a cada movimento. Suas pernas a se envolverem em minha cintura. Minhas partes a roçarem sobre as suas. Podia sentir que a cada passada você me desejava mais.

Então comecei a colocá-lo bem lentamente, e ia ate o fundo e nessa hora você me apertava contra você e me mordia ou mordias os lábios. Então eu o tira completamente e depois colocava novamente bem de vagar ate o fundo novamente. Depois comecei a fazer mais rápido. Depois mais rápido sem tirá-lo de você, indo mais fundo em você.

Você sentia o movimento dentro de você e eu te sentia cada vez mais quente. Tua boca quando não estava ame beijar mordia. Tuas unhas me retalhavam. E eu começava a fazer mais rápido. Parava um instante para volta mais rápida e mais forte. E cada vez que você me arranhava ou mordia era motivo para fazer mais forte e mais intenso.

Teu corpo queimava sobre o meus. Você gemia entre dentes serrados. E quando ia mais fundo você gritava um suspiro. Suas unhas já em minha carne e você me falando para não parar. E me apertando mais. E Eu indo mais rápido. E você gemendo mais alto e eu indo fundo dentro de você. E você gritando para não parar e me apertando com suas pernas. Seus dentes serrados suprimindo seus gritos. Meu fôlego travado e meu corpo tenso. O movimento cada vez mais firme, o apertar de suas coxas sobre mim cada vez maior.

Você então urrou. Suas unhas me rasgaram um ultima vez, suas pernas me travaram. Senti você e você me sentiu dentro de ti. O urro virou um suspiro e este um sorriso. Beijei teus lábios trêmulos e tua testa suada. E fiquei ali ainda dentro de você sentindo o quão quente você estava e preparando para começar tudo de novo.